Elementor #23751

Pela primeira vez na Argentina a peça brasileira “Hay alguien que nos odia”

Um casal de mulheres é discriminado e violentado por parte de seus vizinhos homofóbicos

“Hay alguien que nos odia”, tradução do texto “Tem alguém que nos odeia” de Michelle Ferreira e direção de Patricio Witis nos aproxima de questões importantes nos tempos atuais. Como suportar uma agressão constante? 
É suficiente resistir ou é preciso lutar? O amor pode vencer o ódio?

A estreia será domingo, 10 de novembro, às 18h (horário de Buenos Aires) no Teatro El Grito, na rua Costa Rica, 5459, no bairro Palermo, em Buenos Aires, Argentina.

No próximo domingo, dia 10 de novembro, estreará às 18h a peça Hay alguien que nos odia, no Teatro El Grito, em Buenos Aires, Argentina, em quatro apresentações, sob a direção do reconhecido ator e diretor Patricio Witis, protagonizada pela atriz brasileira Estrela Straus e a atriz argentina Marina Artigas.

A obra foi escrita em 2011 por Michelle Ferreira, atriz, dramaturga, roteirista e diretora brasileira. E neste mesmo ano, o texto foi finalista do Prêmio “Luso-Brasileiro de Dramaturgia Antônio José da Silva”. Em 2013 estreou pela primeira vez no Brasil, com a direção de José Roberto Jardim, e em 2016, foi produzida pelo Teatro Nacional da Escócia no projeto “A play, a pint and a pie” em Glasgow – onde teve mais de mil espectadores locais. Dois anos depois reestreou no Brasil, sendo dirigida pela própria autora, Michelle Ferreira.

Hay alguien que nos odia mostra um casal que não é somente vítima de suas diferenças culturais, como também da discriminação e banalização preconceituosa de um contexto intolerante; propõe gerar no espetador uma mudança de compreensão, visão e comportamento diante de uma sociedade violenta e impune que ignora os direitos e ataca sem razão.

Espero que dentro de cem, duzentos, quinhentos anos, esta peça possa ser considerada antiquada, um retrato de uma época de intolerância que já não existe mais. Esse é o meu desejo para o futuro”, Michelle Ferreira.

Sinopse

Depois de um tempo vivendo em Buenos Aires, o casal da brasileira Maria (Estrela Straus) e a argentina Cata (Marina Artigas) decidem se mudar para a São Paulo. No velho apartamento no qual escolheram se estabelecer, a vida é tolerável até que a violência e o horror invadem sua porta. Elas são vítimas de agressões psicológicas por parte dos vizinhos homofóbicos que não economizam em usar a força física se for necessário. Neste clima de suspense e desconfiança, elas devem enfrentar a impunidade da justiça brasileira, um morador que as considera um péssimo exemplo; também têm que desafiar um padre que trata de demostrar que elas são grandes pecadoras e uma sindica que escolhe não fazer nada. O inimigo se tornou visível e as está perseguindo, o ódio se instalou tão profundo que as submete a reconsiderar sua relação amorosa e inclusive a questionar seus próprios valores individuais.

Como fazer frente a uma sociedade que quer vigiar os corpos? Como lutar contra um sistema heteronormativo que ignora direitos? Como reagir a violência quando esta é autorizada e praticada? Pode-se amar entre tanto ódio?

Hay alguien que nos odia chega a Argentina pelo coletivo internacional de teatro Pravda! Pravda!! fundado em Nova Iorque, em 2010, pelo argentino  Patricio Witis e pela brasileira Estrela Straus, artistas que se conheceram e formaram juntos no The Lee Strasberg Film and Theatre Institute. O Colectivo Internacional tem como intenção unir diferentes artistas do mundo em um mesmo objetivo estético. A diferença de uma companhia com membros permanentes, o coletivo tem uma base de membros em diferentes países (Alemanha, Argentina, Brasil e Costa Rica). Seu eixo central é um teatro baseado na verdade do ator que foca nas relações humanas. Trata de conseguir um retrato artístico que se assemelhe a vida e sua fragilidade. Hay alguien que nos odia é o sexto projeto que segue a linha do coletivo de se apresentar em diferentes lugares do mundo. Em 2011, em Nova Iorque, estreou a primeira obra no American Theatre of Actors, “Hurlyburly” de David Rabe. Logo “Vanities” de Jack Heifner com duas temporadas em Nova Iorque e apresentações no Festival de Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo. Em 2011, no Fringe Festival de NY apresentou “Rollerblading in Gaza” de Brian Bokowsky. Também em 2011, em Berlin apresentou “Fracture” espetáculo com três peças curtas de Tennessee Williams que estreou no TISCH Theater, em Berlin. Em 2018, em São Paulo estreou “O filho do Moony não chora” de Tennessee Williams.

Ficha Técnica

Texto: Michelle Ferreira

Direção: Patricio Witis

Elenco: Estrela Straus y Marina Artigas

Assistentes de direção: Bernardo Bibancos y Marina Meyer

Cenografia e vestuário: Tainá Azeredo

Assistente de cenografia: Rafaela Du Plessis

Realização cenografia: Manuel Escudero

Visual: Conrado Vidal y Tiago Haddad

Música original: Bernardo Bibancos

 

Hay alguien que nos odia – 4 apresentações

Aos Domingos dias 10/11, 17/11, 24/11 e 01/12, 18h, Teatro El Grito, na rua Costa Rica, 5459, bairro Palermo, Buenos Aires, Argentina

 

Informações para imprensa

Atendimento: Mara Ribeiro Comunicação

Mara Ribeiro | MTB: 16.577 | Tel.: (11) 3815-1994 | Cel.: (11) 99221-5201

Rafael Gmeiner | MTB: 49.997 | Cel.: (11) 94398-1910

8 visualizações
1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (No Ratings Yet)
Loading...